Pode-se muito bem liderar sem se tomar a iniciativa, buscar a inovação transformadora. A iniciativa, o risco, a aceitação da ambigüidade usualmente são traços associados com o estilo do empreendedor, usualmente aquele que inicia novos negócios.

Freqüentemente os empreendedores, grandes inciadores de negócios, são maus administradores - têm grandes idéias, lideram rumo a elas, mas falta-lhes qualidades que permitam controle e maximização dos resultados e otimização dos recursos.

Os ocupantes de uma estrutura gerencial (gerentes, supervisores, chefes) nem sempre foram chamados a ter esse comportamento, mas parece que as coisas começam a mudar. Os professores Vipin Gupta e Ian C. MacMillan, da Wharton School, um dos mais conceituados centros de estudo de gerência dos EUA, criaram o termo líder empreendedor para designar o novo tipo de gerente que se busca hoje.

É uma mistura do antigo gerente com um traço do iniciador de negócios e projetos: primeiro a mover-se em dada direção, capaz de criar um clima de realização na equipe, apto a adptar recursos existentes a novos desafios que surgem, competente em criar plataforma de ação para o futuro.