Uma entrevista produtiva não garante a sua contratação, mas com certeza propicia uma experiência extremamente útil para toda sua vida profissional, além de, é claro, deixar uma imagem positiva junto a um provável empregador.

Deste modo, encare toda entrevista, com qualquer tipo de profissional de qualquer nível como uma oportunidade profissional real.

Não deixe que seus preconceitos e temores interfiram na sua relação com seu entrevistador. Mesmo que ele não pareça a pessoa indicada para entrevistá-lo, não assuma uma postura de descaso.

Todo profissional de uma empresa que o convida para uma entrevista deve ser encarado como um representante legítimo dos interesses daquela empresa e, portanto, deve ser tratado por você ética e profissionalmente. Muitos candidatos perdem ótimas oportunidades por guardar seus trunfos "para falar com alguém com maior poder de decisão".

Todo entrevistador tem um poder de decisão no processo seletivo, ainda que seja proporcional à sua situação na hierarquia da empresa. Isto não significa que você precise conversar sobre complexos sistemas gerenciais e administrativos com alguém que apenas tem o objetivo de fazer uma pré-seleção. Desenvolva a entrevista em função do entrevistador e de seus limites, mas não o menospreze. Como também não o superestime.

O fato de ser entrevistado diretamente por um vice-presidente, por exemplo, também não pode ser encarado de forma errada. Não é nem privilégio excessivo, nem uma responsabilidade adicional, mas apenas a estratégia daquela empresa em particular para o processo de seleção. Toda esta percepção é importante para o desenvolvimento de um desempenho realmente produtivo e adequado aos objetivos de cada entrevista.